Publicado em 11.11.2019 - Notícias - Sem comentários

Durante a Jornada Científica, que aconteceu na semana passada, os alunos de 8° e 9 anos realizaram uma mostra de seus projetos no pavilhão da escola. Nos dois dias da mostra, foram apresentados pesquisas desenvolvidas dentro das salas de aula com o objetivo de despertar o olhar científico desde cedo nos estudantes. O evento também contou com exposições da atividade extraclasse de robótica e instrumentos dos laboratórios de Ciências.

A construção dos projetos educacionais foi realizada ao longo do ano sob orientação das professoras da área de ciências Elisa Alves (Física), Greice Sedrez (Química) e Inti Sturbelle (Supervisora Escolar). “Trabalhamos com os alunos a iniciação científica, não somente os conteúdos didáticos mas também como desenvolver pesquisas. O Jovem Cientista é composto por estudantes que se engajam além das aulas e desenvolvem pesquisas em diversas áreas como de linguagens, ensino religioso, educação física e outros assuntos que despertam curiosidade nos estudantes”, destaca a supervisora.

75174d2f-11a2-438b-b663-f6f67fbf999bDSC_1343  DSC_1421DSC_1366

Alguns dos trabalhos que estiveram na exposição já foram apresentados pelos alunos da Escola em outros eventos como a Feira Mineira de Iniciação Científica (FEMIC), Mostra Nacional de Educação Ciência e Tecnologia (MOSTRAROB), Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia Jr (MOSTRATEC), entre outras. Os Jovens Cientistas ganharam destaques nacionais e internacionais com seus projetos sobre acessibilidade, tecnologia e meio ambiente.

DSC_1433DSC_1448  DSC_1558DSC_1529

“A introdução da pesquisa científica no 8°ano é um diferencial que o nosso aluno vai ter. No futuro, quando ele enfrentar os desafios do mundo do trabalho, estará melhor preparado. Também queremos formar alunos críticos, preocupados com as políticas públicas e com o bem-estar social, e a pesquisa científica pode promover a disseminação de uma descoberta podendo até mesmo salvar uma vida” diz a professora Elisa Alves.